Documento enviado aos Grupos Parlamentares 20OUT2021

Documento de análise e requerimento enviado aos Grupos Parlamentares e Presidência a 20OUT2021

A segurança interna é um contributo importante pilar da democracia, com reflexo direto, na economia nacional.

 

Ao longo de últimos anos o orçamento contemplado para as forças de segurança tem sido consecutivamente reduzido, face às necessidades efetivas.

 

Ao longo dos últimos anos o efetivo da PSP tem sido diminuído significativamente, os seus profissionais têm em média 45 anos de idade, as instalações e material de trabalho encontram-se degradadas.

 

Fora dos Comandos de Lisboa e Porto a média de idade sobe para 55 anos.

 

Esta é a veracidade vista e vivida por quem trabalha na PSP.

 

O investimento na Polícia de Segurança Pública não é um gasto supérfluo, mas pelo contrário é fundamental para que num futuro próximo seja possível manter uma prestação de serviço regular, eficiente e eficaz.

 

Este documento procede a uma análise da globalidade dos problemas que assolam a PSP e seus profissionais.

Tudo é explanado com base na legislação vigente, requerendo-se alterações estruturais que dignificam a nível salarial e de carreira e cimentem a valorização profissional dos Polícias.

Neste documento é claramente visível que, em 2022 o trabalhador que auferir o ordenado mínimo nacional e laborando nas mesmas condições de serviço do Polícia, irá receber de vencimento liquido mensal receberá menos 33,46€ que um agente no 1.º índice salarial.

Urge atitude de mudança, para que em futuro breve a PSP possa manter congruente a sua resposta operacional de forma eficiente e eficaz.

Estando em cima da mesa o Orçamento de Estado para 2022, a Organização Sindical dos Polícias enviou este documento de análise e requerimento, aos Grupos Parlamentares a 20OUT2021 e Presidência.

 

Ficheiros{